terça-feira, 11 de setembro de 2012

Colheitas de Amor



“Mãe, fala-me de mim.
Gosto tanto que me fales de mim!…”

E foram instantes de risos
e de lágrimas

searas de ternura
em campos
de areia
e de neve

colheitas de amor
e saudade

doçura de rostos
passinhos trémulos
gestos sem norma.

“Porquê, Mãe?
Explica-me…”

Procuro a palavra
a definição

é preciso clarificar
a situação.

“Cuidado, Mãe!
Não me deixes cair!
Nunca, Mãe…”


B.

Sem comentários:

Enviar um comentário