quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Digo-te de Nós



Digo-te ainda
de um tempo feito de luas transparentes
e anseios de abril

de um mar exato de águas repousadas
que me abrigava
na claridade dos teus silêncios;

digo-te da sede
que em mim bebia o fogo das alvoradas
e acordava rituais
de sementes inebriantes.

Digo-te de mim
de olhos que ardem rios de sal
que não secaram o bastante
para respirar

da ilusão que afaga as incertezas
de uma rocha poente
e inventa remendos flutuantes
em margens transbordantes e desertas.

Digo-me
a mim
de um tempo paciente
incompleto
em aberto sem memória.

Sem comentários:

Enviar um comentário