sábado, 4 de fevereiro de 2017

Pouco a pouco dói o tempo

Deambular de novo no interior
de um tempo quieto. Um tempo
em que a ilusão era a verdade a emergir
em cada rosto, em cada curva do pensamento.
Sem medos, sem fantasmas.
Reencontrar-se por detrás de si
quando a crença bastava para traçar a vida
como uma qualquer regra de gramática.
Havia luz nas incertezas da voz
ateada de um fulgor inocente
e o olhar longo, vagaroso nos verbos da tarde
era refúgio da vertigem do poema.

De repente, a vida a revolver a sorte
a gemer idades amarradas a margens
onde morrem acasos ou devaneios.
A arte de esquecer como rua
onde moram pedras e poentes.

Quantas vezes se acertaram os ponteiros
da alma?

Pouco a pouco dói o tempo
a dissolver-se nas veias

porque já não existem árvores para escrever.

B
04.02.17

Sem comentários:

Enviar um comentário